Andrea Raw: cientista do corpo em movimento

Andrea Raw | Foto: Divulgação

Desde que passou a fazer parte da rotina da
jovem carioca Andrea Raw, em 1983, a dança nunca mais saiu de sua vida. E nem
ela do universo da dança. Das primeiras aulas de ballet, aos 5 anos, aos
intensos treinos, especializações, experiências internacionais e aprimoramentos
teóricos e práticos, foi uma longa jornada – 33 anos de atividades e estudos -,
trilhada com muita dedicação e sobretudo, intensa devoção.

Andrea carrega no sangue o dom artístico. Neta
do compositor, radialista e produtor David Raw, figura importante no cenário
cultural brasileiro da década de 40 até meados dos anos 90, a bailarina, além
do talento para atuar, foi se transformando em uma verdadeira cientista da arte
do movimento, estudando, desenvolvendo pesquisas e promovendo eventos que se
destacam na cena da dança contemporânea atual.

Graduada no Bacharelado em Artes Cênicas pela
UNIRIO e em Docência dos Ensinos Fundamental, Médio e Superior pela UCAM,
Andrea começou a lecionar em 1992, destacando-se no ensino da Dança Moderna no
Ballet Stagium, em São Paulo, nas escolas Petite Danse, Marta Bastos e Centro
de Movimento Deborah Colker, no Rio, e no MMS, de Budapeste, na Hungria. E não
para por aí: cursou e se formou, também, pela conceituada Martha Graham School,
de Nova York. Como bailarina profissional atuou em diversos festivais por todo
o país ao longo de vários anos.

E quem pensa que o repertório já está de bom
tamanho para uma carioca de 38 anos, se engana: Andrea Raw é idealizadora e
produtora do 1º e 2º Workshop de Técnica e Repertório de Martha Graham no
Centro coreográfico do Rio de Janeiro em 2009 e 2010, produtora de Workshops
com renomados profissionais internacionais como David Parsons e Ana Marie
Forsythe, da Ailey School, e idealizadora, produtora e diretora artística do
Congresso Brasileiro de Dança Moderna, evento realizado anualmente desde 2011,
maior evento de referência na área. Além de oferecer a oportunidade de
vivenciar e aprender com dançarinos de talento, o congresso ainda promove ações
sociais: inclui bolsas para jovens de baixa renda que sonham em se tornar
dançarinos e facilita para que eles concorram a bolsas de estudos em Nova York,
que pode ser considerada uma das principais capitais da dança moderna mundial.

O currículo é vasto e a paixão pelo que faz,
maior ainda. Por isso, o resultado é primoroso. E, com certeza, será ainda mais
no decorrer dessa trajetória da pequena bailarina de roupa de filó que vem se
tornando uma grande especialista na arte de estudar, enxergar e trabalhar a
alma através do corpo.

 

Deixe uma resposta