Redescobrindo a Música Brasileira – com Rodrigo Faour

Rodrigo Faour | Foto: Divulgação

Quase tudo que a música brasileira produziu de mais original
em termos de melodia, ritmo, vozes, arranjos e vozes durante o século XX
tornou-se hoje algo inatingível, praticamente um buraco negro, um passado
distante em nossa cultura. Longe da maioria das rádios e da TV aberta, acabou
restrita a duas dúzias de clássicos vez por outra regravados por intérpretes
atuais, eventualmente incluídas em alguma telenovela. Quem nasceu a partir da
década de 1990 já encontrou um cenário favorável somente aos estilos
populares massificados – que têm o seu valor, mas não fazem jus a uma história
tão rica e abrangente como a da música brasileira.

Existe uma demanda forte por parte dos mais jovens em busca
de referências em termos de música popular brasileira. Há muitos que desejam
conhecê-la melhor, perdidos em meio ao turbilhão de informações soltas aqui e
ali, principalmente via internet. Um público que muitas vezes desconhece
completamente alguns de nossos maiores gênios e suas canções, o que é muito
grave, pois a música popular é a expressão artística mais representativa de nossa
cultura. Tanto assim que por meio de nosso cancioneiro e seus ícones é possível
contar toda a história sociopolítica e comportamental do país. Da mesma forma
existe também um público que viveu o auge da canção brasileira e gostaria de
reviver alguns destes momentos e ao mesmo tempo se aprofundar em outros que não
deu tanta atenção. Este curso se destina a preencher as lacunas de ambos os
públicos.

Objetivo:

O objetivo do curso é contar a história da música popular
brasileira por meio de bastante material audiovisual, de modo a ampliar as
referências dos interessados sobre o tema. Será mostrada a evolução de seus
ritmos, gêneros, intérpretes e autores mais importantes, desde os seus
primórdios nos séculos XVIII e XIX, com ênfase na produção das décadas de 1930
a 1980 – época mais produtiva e original de nossa indústria fonográfica.

Ao mesmo tempo, visa realizar uma ponte da música brasileira
com cada época enfocada, contextualizando-a, especialmente no âmbito
comportamental – mas sem esquecer o sociopolítico. Assim, o aluno poderá
absorver com mais clareza cada estilo abordado.

Sobre Rodrigo Faour:

Rodrigo Faour é jornalista formado pela PUC/RJ. Nascido
no Rio de Janeiro em 1972, desde a infância cultiva o ofício de
pesquisador musical, colecionando discos e publicações com ênfase na MPB.
Possui arquivo pessoal com cerca de 80 mil músicas catalogadas e um vasto
clipping de matérias de imprensa coletadas desde a adolescência. Além
de jornalista, crítico e pesquisador musical, também atua
como escritor, radialista, apresentador de TV, diretor de
shows e produtor musical, respeitado por artistas, intelectuais e
pela imprensa em geral.

Entre 2001 e 2015, já produziu mais de 550 CDs, entre
reedições e compilações, participou de palestras, foi jurado de
prêmios e publicou cinco livros, dentre os quais “Bastidores” (a
biografia de Cauby Peixoto, Ed Record), “Revista do Rádio” (Ed. Relume
Dumará) e a “História Sexual da MPB” (Ed. Record), em que realizou um
estudo pioneiro unindo música e comportamento, que rendeu vários frutos:
1) o programa de rádio “Sexo MPB”, na MPB FM; 2) o programa de
TV com o mesmo título do livro, no Canal Brasil, que apresenta e
roteiriza, 3) o CD duplo “Sexo MPB com Rodrigo Faour” (EMI), 4)
o “Troféu Sexo MPB” – em que homenageia em grandes festas/shows os
artistas que “contribuem para a MPB ficar mais sexy e quente”, numa 
confraternização, reunindo uma gama de estilos e gerações de nossa música, e
finalmente esta mesma festa originou o ítem 5) o DVD “Sexo
MPB – o show” (EMI). Em 2010, lançou “A bossa sexy e romântica de
Claudette Soares” (Coleção Aplauso/Imprensa Oficial SP) e em 2012, a
biografia “Dolores Duran – A noite e as canções de uma mulher
fascinante” (Ed. Record).

Em 2015, lançou a biografia de Angela Maria e
continua atuando na produção de novos artistas e reedições, em pesquisas de
repertório para cantores, além de ter sido convidado para ser um
dos “Consultores Masters” do Novo Museu da Imagem e do Som (RJ), a
ser construído na Praia de Copacabana.

Programa:

– Dos primórdios às gravações pioneiras da Casa Edison
(século XVIII a 1930);

– A Era de Ouro – o boom do samba, dos seresteiros e da
canção carnavalesca (1929-1945);

– A explosão do baião e do samba-canção na Era do Rádio
(1946-1957);

– A pré-bossa nova, a bossa nova, a pré-jovem guarda e os
primeiros bregas (1946/1958-1965);

– A MPB dos festivais, a Jovem Guarda e a Tropicália
(1965-1970);

– A música engajada, explosiva e libertária dos anos 1970;

– A volta por cima do samba e a nova geração brega nos anos
1970;

– A MPB nos anos 1978-1985: cruzando com o pop e o rock e o
primeiro boom das canções com apelo sensual-sexual;

– A MPB rumo ao brega, rock pesado e novos carnavais (1986 –
1992);

– Modismos massificados e mercado independente – a música no Brasil.

Deixe uma resposta